quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Curso de gestante: vale a pena fazer?

Oi, meninas!

Conforme prometido, cá estou eu novamente. Hoje vou falar sobre o curso de gestantes.

Quando engravidei, nem sabia que isso existia hahaha. Sou de uma criação em que as mulheres aprendiam a cuidar dos filhos pelo instinto materno e/ou por um auxílio da mãe, sogra ou tia. Então, quando soube que existia um curso específico pra isso, confesso que torci um pouco o nariz e decidi não fazer.

Só que os meses foram passando, a ficha de que um bebê vai passar a existir no mundo e depender de mim foi caindo e a insegurança foi aumentando. Como vou dar banho? Como limpar o umbigo? Qual a posição melhor e mais segura pra dormir? Tudo isso foi passando pela minha cabeça e me gerando um certo pânico hahahah.

Até que numa consulta com minha GO conversamos sobre a maternidade em que terei a Manuela. Minha GO me orientou a entrar no site, ligar pra lá e agendar uma visita. Fiz isso e para a minha surpresa nessa maternidade eles ministram um curso de orientação para casais grávidos. Não pensei duas vezes e me inscrevi.Só avisei ao marido para reservar o dia. 

O curso foi no sábado passado, dia 21/11, de 8 às 18 horas, na maternidade da Casa de Saúde São José. Horário meio pesadinho para quem já está de 33 semanas, mas era a única data disponível. Coloquei minhas meias de compressão, já que ficaria o dia todo com os pés para baixo, e lá fomos nós.

A primeira parte da programação do curso consistiu em palestras com uma psicóloga, um obstetra e uma enfermeira. Não acho que precisasse de uma manhã inteira,  mas o saldo foi positivo. Destaco o 
esclarecimento sobre baby blues e depressão pós-parto dado pela psicológa, as explicações sobre trabalho de parto do obstetra e algumas dicas sobre aleitamento materno mencionadas pela enfermeira.

Após o almoço, houve uma palestra sobre células tronco. Na verdade, nunca tinha pensado a respeito e confesso que depois do curso estou refletindo sobre o assunto. Palestra válida também. Em seguida, uma nutricionista esclareceu algumas coisas sobre alimentação na gestação e na amamentação. Sinceramente? Completamente dispensável pois tudo que ela falou qualquer gestante já está careca de saber. Depois, uma enfermeira entrou para falar sobre alguns detalhes do pré e pós parto. Interessante também.

Depois, vieram as aulas práticas. Sem dúvidas, a melhor parte!!! Ensinaram como dar banho, trocar fralda, limpar, enrolar o cueiro do jeito certo, além de outras dicas importantes como detalhes sobre a mala da maternidade, posição para dormir, relaxar o bebê, evitar alergias, etc.Cada casal recebeu um boneco para treinar o que tinha aprendido. Foi divertido e muito útil!

                                          (a tiara da boneca não saía haha)
                         (Não reparem porque estava inchada nesse dia e já morta! Isso aí já foi umas 17 horas)

Finalizaram com uma visita à maternidade. Honestamente, não era a minha maternidade dos sonhos, mas... pelo meu histórico, minha médica acha melhor que seja lá pois, por ser também um hospital, a estrutura é infinitamente superior a um local que seja apenas maternidade. Conversando com uma prima que é médica, ela me disse a mesma coisa. Então, vamos parar de bobeira e parir onde os médicos acharem melhor kkk.

Respondendo à pergunta do título, afirmo que SIM. Vale a pena fazer o curso. Principalmente, se o marido for, porque os homens não tem noção alguma de como cuidar de um bebê. Eduardo saiu de lá muito mais seguro. É claro que o curso inteiro não é maravilhoso, tem momentos que são pura "encheção de linguiça", mas no geral, vale a pena e o saldo é positivo. Não tenham dúvidas e se inscrevam! Vai ajudar muito!

É isso por hoje.

Beijocas  

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Chá de fraldas: vale a pena fazer? Relato do chá da Manuela


Oieee!!

Estou há um tempão sem postar né? Mas...nesse próximo mês, vou me esforçar pra postar mais porque já estou com 33 semanas e se eu demorar muito, daqui a pouco Manu está na área! E aí já viram né? As prioridades vão mudar, os assuntos de agora vão passar e vou ficar sem tempo pra escrever. Afinal, daqui a pouco mais de 1 mês vou ter que aprender a ser mãe. Ai que nervosooo!!! 

Bom, mas vamos ao tema do post. Financeiramente vale a pena fazer um chá de fraldas?

A gestação é um período em que gastamos muito. Além do enxoval e do quartinho, tem os gastos com novas roupas (por mais que compremos poucas, temos que comprar e não são baratas), com exercícios que não fazíamos antes (eu faço pilates), com drenagem linfática (no meu caso obrigatório), com cremes e óleos, vitaminas e remédios, alimentação, consultas médicas (obstetra e hemato particulares!), exames (todos os meus exames de imagem são feitos em local particular que custa um rim) e por aí vai. 

Quando estava com umas 20 semanas o assunto chá de fraldas começou a surgir. Minha mãe, sogra, marido e alguns amigos faziam questão do chá. Foi aí que fiz uma planilha de simulação de custos x fraldas e não me animei nem um pouco. Mesmo fazendo algo bem simples o resultado final era "elas por elas". Ou seja: não compensaria a trabalheira toda e seria melhor comprar as fraldas ao longo do crescimento da pequena.

Além disso, eu tinha (tinha não! tenho!!!)  um trauma enorme do meu chá de cozinha. Foi um evento muito legal, que vai ficar pra sempre no meu coração, mas deu um trabalho descomunal. Prometi a mim mesma que jamais faria qualquer outra festinha com milhões de projetos DIY e com tantos detalhes. Ainda que fosse festa pros meus futuros filhos hahaha 

Só que a pressão foi grande. Marido dizendo que seria a primeira festinha da Manuela e tinha que ter. Minha mãe usando o mesmo argumento. Sogra me ligando.  E eu relutando muito porque sabia que se fizesse algo, daria trabalho e não compensaria. Mesmo fazendo algo simples, eu não sou do estilo de fazer "qualquer coisa". Se é pra fazer, faz direito. Não é do meu perfil comprar meia dúzia de pacote de Fandangos e guaraná Dolly, colocar na mesa em prato descartável e esperar os convidados. Pra fazer assim, melhor não fazer e vida que segue.

Uma prima do marido se ofereceu pra fazer todas as comidas e pedir aos convidados mais próximos que levassem cerveja. Levar cerveja aos eventos é uma prática comum aqui no Rio de Janeiro, mas me sentia mal porque já era um evento para as pessoas levarem fraldas. Ficava muito chato pedir para levarem fraldas+ bebidas. Como essa prima disse que falaria apenas com os mais chegados, fiquei mais tranquila e o evento não sairia tão caro. Compraríamos os ingredientes para ela fazer os quitutes e alguma reserva de bebida para atender o evento de uma forma geral. Minha mãe disse que daria bolo, doces, lembrancinhas. Então, concordei em fazer alertando todos que precisava de ajuda. Escolhi 07/11, uma data em que meus sogros estariam aqui e eu estaria num tempo bom de gestação ainda (31 semanas).

Fiz um convite bem 'simplinho' pras pessoas não criarem expectativa de grandes produções e disparei nos grupos de whatsapp e criei o evento no facebook. A conselho de amigos já experientes, pedi fraldas Pampers pacote verde ou roxo, Turma da Mônica ou Huggies.  Ao todo, tínhamos uns 94 convidados e estávamos aguardando uns 70. Sou a louca do RSVP e minha estimativa deu certinho.

Uns 15 dias antes do chá, fomos à festa de um amigo nosso e conhecemos um buffet bem simplesinho mas super bem servido. Fiquei com o contato e mandei e-mail dois dias depois. Para a minha surpresa, o que gastaríamos com ingredientes, bebidas e material de apoio (guardanapos, pratinhos, etc) dava só um pouco mais barato do que contratar o buffet e não ter aporrinhação alguma.  Era pagar e chegar na festinha como convidados. Minha única preocupação seria a montagem da mesa de doces, o que eu faço com os pés nas costas, e arrumar o espaço com as mesas. 

Na semana do chá encomendei 4 arranjinhos pequenos só pra dar uma vida à mesa do bolo e aluguei uma mesa branca e algumas bandejas, já que as que eu tenho não seriam suficientes.  

No dia deu tudo certo. Buffet chegou na hora, material de locação também, bolo, doces, tudo. Uma amiga fez pães de mel deliciosos e emprestou vidros pra servir de centro de mesa (coloquei chuva de prata neles). Quando cheguei no salão, minha mãe e irmã já tinham colocado todas as mesas e cadeiras no lugar pra eu não ter que carregar peso. Depois parti pra arrumar a mesa de doces com minha irmã, enquanto minha mãe encaixotava as lembrancinhas. Depois, ela arrumou todas no lugar.

Duas horas antes do evento,fui pra casa  descansar e colocar as pernas pra cima. O chá foi ótimo e pude rever várias pessoas super queridas! No final, eu e marido fizemos homenagens a pessoas  importantes para a fase que estamos vivendo e as que tinham ajudado no chá. Foi uma choradeira só! Depois, algumas brincadeiras e partimos o bolo.

Foi ótimo porque acabou cedo e não me cansou muito.

E o resultado final? 2412 fraldas (fraldas até depois de 1 ano!) . Foi muito bom, mas não foi graaaaande economia não. Teve lucro? Teve, mas não foi grande coisa. Valeu pela festa sabe? E não me arrependo de ter feito. Ainda bem que todos insistiram, porque com certeza iria me arrepender depois. 

Reunimos muita gente legal e querida e isso que valeu!

A seguir umas fotinhas:





Se você está na dúvida se faz ou não um chá, meu conselho: faça! É um evento importante para o final da gestação, em que se você tiver ajuda e não gastar como louca, vale muito a pena fazer. Principalmente na primeira gestação.

Por hoje é só!

Beijocas