quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Os loucos 3 primeiros meses


       Dizem por aí que o primeiro trimestre é a fase mais difícil da gestação e tenho que concordar! Além de uma série de incertezas e expectativas, nosso organismo muda MUITO! É muito sono, muita indisposição, muito enjôo, o peito doendo e crescendo na velocidade da luz (falando nisso, meu peito merece um post especial! Virei em poucos meses uma espécie de Sabrina Boeing Boeing misturada com Fafá de Belém!). Bom, e passamos por tudo isso ainda SEM barriga. Ou seja, ainda sem rolar aquela história das pessoas sorrirem pra você na rua, te darem tratamento preferencial, te protegerem.

     Ah! E no meu caso sem ninguém saber da gestação. Quando falo ninguém, é ninguém mesmo. Nem minha mãe. Só contamos pro padre que casou a gente pra ele rezar pela gravidez. 

       Então foi bem chatinho passar por esses meses viu? Tive que fazer coisas do arco da velha pra escapar de determinadas situações. Tudo isso pra proteger minha gravidez e também para não desconfiarem. Querem um exemplo? Passei meu primeiro dia das mães sozinha. A comemoração foi na casa da minha avó e uma prima minha mora lá. Essa prima estava doente, com um negócio meio bizarro que ninguém sabia explicar o que era. Vocês acham que eu iria arriscar? Jamais! Falei pra minha mãe que estava na reta final do tratamento pra engravidar e não poderia ser exposta a nenhum tipo de enfermidade. Ela acreditou, coitada. O  marido obviamente foi almoçar com a mãe dele (afinal, era dia das MÃES e não aniversário de casamento ou dia dos namorados rs).Eu não poderia almoçar com a sogra porque ela também iria achar estranho eu não estar com minha mãe. No final, fiquei sozinha em casa :-(

      Outra situação que me irritava muito e eu tinha que inventar mil histórias pra escapar eram os encontros frequentes com uma amiga minha, que é MEGA fumante. Essa amiga  estava se separando na época do início da gravidez. Eu como uma amiga irmã dela, óbvio que tinha que dar todo o apoio que ela precisasse. Ela ia pra minha casa toda semana praticamente. Só que como ela estava muito nervosa na época, fumava SEM PARAR. No início eu dizia que estava com alergia, pra ela fumar longe e se trancar na varanda . Só que a fumaça acabava de uma forma ou de outra chegando a mim ou ficando impregnada no ambiente. Até que teve um  dia que não dava mais e pedi para ela descer e fumar na rua hahah.

        Um momento que vai entrar pra história foi minha mudança de casa. Acho que estava com umas 9/10 semanas quando nos mudamos. Foi muito engraçado porque eu fazia pausas pra me trancar no banheiro e vomitar, enquanto os funcionários da empresa de mudança encaixotavam as coisas hahaha. Minha sogra foi me ajudar e eu tinha que disfarçar o tempo todo o fato de não poder pegar peso. Dizia que estava com um problema na coluna. Meu Deus! Esse início de gravidez me ensinou a mentir como ninguém! 

        Ah! E é claro que passei pela clássica situação de estar em eventos em que rolava bebida alcoólica e o MUNDO vinha me perguntar porque eu não estava bebendo. Ai que saco! Quando dava, dizia que estava dirigindo e não poderia beber. Outras vezes, dizia que estava fazendo um detox, mas as pessoas não respeitavam.Outras vezes falava que estava fazendo promessa e por aí vai.    

        Outra coisa desconfortável foi que nas 14 primeiras semanas tomei Utrogestan de 8 em 8 horas. Era chato demais quando estava na rua ter que sair correndo atrás de banheiro na hora do remédio e fazer malabarismos segurando um monte de coisa para colocá-lo hahah. Além disso, o medicamento me deixava mais indisposta do que eu já estava, irritada e inconstante. Pode ser impressão minha, mas sentia isso. 

       E é claro: o que mais me incomodava dessas coisas todas, era a incerteza de que tudo estava indo bem. No primeiro trimestre só fazemos 2 ultras: uma com 6 semanas e outra com 12, já ao final dessa fase inicial. Ou seja: ficamos muito tempo sem ver o bebê. Para fazer a primeira ultra relutei muito. Queria esperar o máximo por causa do trauma anterior. Da outra vez nem a oportunidade de ouvir o coração bater eu tive. Falei pra minha médica que não iria fazer a ultra com 6 semanas, que queria esperar até uma fase em que não restasse a menor dúvida de que a gravidez tinha vingado ou não. Por aquele desgaste anterior de ter que voltar mil vezes pra fazer  ultra e esperar dias naquela aflição, decidi que não passaria mais.  Fiz então com 8 pra 9 semanas e graças a Deus, deu tudo certo!

       Foi mega emocionante ouvir o coração pela primeira vez. Eu só chorava de felicidade e agradecimento! 

      Depois dessa primeira ultra, fiquei muito mais confiante de que tudo daria certo! O trauma já tinha passado e a partir de então, era só novidade e muita coisa boa pra descobrir. É claro que um certo medinho continuava me atormentando e por isso ainda não conseguia comprar nada e nem fazer a sexagem fetal. Tenho a impressão de que a partir do momento que você sabe o sexo, a gravidez já toma forma, cara, o bebê já tem nome . Se eu perdesse depois, seria muito mais difícil superar. Por isso, resolvi (na verdade, resolvemos marido e eu) esperar a translucência nucal e o risco fetal pra fazer planos de enxoval e descobrir o sexo.

    Com 12 semanas lá fui fazer a TN e para minha surpresa já tinha um bebê de verdade dentro da minha barriga hahahaha. Impressionante  como em poucas semanas uma bolinha se transformou num neném todo formadinho já! A natureza é muito sábia e Deus maravilhoso! Com o laudo da TN, fui fazer o risco fetal e tudo certo também. 

     Então, já era a hora de contar para a família! No próximo post falo sobre isso.

Por hoje é só!
Beijocas      

9 comentários:

Gê Simões disse...

Oi

Nossa qta coisa teve que fazer para esconder o comecinho, mas que bom que deu tudo certo.
Já curiosa pela continuação...
💋💋💋💋
http://fofinhachega.blogspot.com

Thaís disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thaís disse...

Nossa...que sufoco!!!
Estou loca para acompanhar o "desenrolar" dessa historia linda...
Beijos

Gi Lima disse...

Lá em casa a gente ia esconder também, mas não resistimos, hehe
imagino como foi!
Agora no segundo trimestre é tudo mais calmo.

Bjus

http://esperando-esperar.blogspot.com/

Aline lima da silva disse...

Nossa vc foi guerreira e quase uma atriz pra conseguir disfarçar...heheh...sem contar que 'esconder' felicidade de quem a gente gosta é muito mais dificil ainda. Graças a Deus está tudo bem com vc....e no proximo dia das mães vc estará com seu presente nos braços. Coisa boa ne?

Barbara Nunn disse...

Morro de rir do jeito que você conta!!! Na sua situação, acho que faria o mesmo! Só abrimos para todo o mundo, quando estava de 11 para 12 semanas, antes disso, só nossos pais mesmo.
Agora que esse turbilhão do primeiro trimestre passou, a gente passa a curtir um pouco mais a gravidez e, depois de descobrir o sexo, acho que a ansiedade maior é para quando vai começar a sentir as mexidas!!! kkkkk
Beijão

katia silva disse...

Antes de confirmar o positivo tbm pensava em não contar até 3 meses completos..l mas quem disse que consegui? Aguentei firmemente 1 semana só ate fazer a primeira ultra para ter certeza que havia um serzinho dentro da mim! Ahaha vc foi forte para guardar segredo... Agora segundo trimestre é mais tranquilo e emocionante tbm.... Parabens ! Curta muito a barriga que logo começa a aperecer!! Bjs

Gabriela Rodrigues disse...

Nossa Má, deve ser muuuuito difícil esconder de todos esses primeiros 3 meses, não sei se aguentaria não! Vc foi super forte e mentirosa kkkkk...

Mas deve ser mágico mesmo ver uma coisinha virando gente dentro da gente!! =) A sensação deve ser demais!!!!

Má...me manda a foto dos lambes lambes pra eu postar lá no blog, ainda mais que vc mudou de casinha, que delícia!!!

beijos!!!

Gessica Morais (Kinha) disse...

Nossa quanta coisa teve que passar e mentir, acho que eu não aguentaria e iria contar pelo menos p minha mãe, mas ainda bem que valeu a pena né!
Beijo
;)
www.umalindapromessa.com